Arquivo da tag: servidor

Servidor de Impressão com Servidor de Scanner utilizando multifuncional

Servidor de Impressão com Servidor de Scanner utilizando multifuncional

Pre-requistos

Uma maquina simples (utilizei um K6-II 500 / 128Mb RAM / 40Gb dHD)
Uma disto Debian qualquer (optei pelo Kurumin Ligth, pelo tamanho da distro)
Uma impressora (no momento eu tinha uma multifuncional HP-OfficeJet-3015)
Internet (muito importante! :D)
Um pouco de paciência! 🙂

Primeiro passo instale e configure a distro na maquina que será o seu servidor de impressão, esse artigo não é voltado para a instalação do linux, então vou presupor que você sabe fazer isso, mas caso você não saiba fazer isso utilize o LiveCD que você possivelmente não terá problemas com a instalação do KURUMIN LIGTH

Instalando os itens para o servidor de impressão:
# HPLIP;
# CUPS;
Sempre utilize as versões mais atualizadas!

Para intalar o HPLIP utilize o seguinte comando:
# apt-get install hplip

Para intalar o CUPS utilize o seguinte comando:
# apt-get install cupsys

Agora voce deve configurar a impressora utilizando o sistema da HP instalado com através do HPLIP, ele deve trocar informações com o servidor CUPS diretamente.
clique em MENU > ??? > HPLIP

*configure a impressora com o driver existente do HPLIP

As configurações feitas atravez do HPLIP, tambem apareceram com painel do CUPS, para conferir, depois de configurar a sua impressara, acesse o endereço http://127.0.0.1:631 essa é a página do servidor CUPS.

Para configurar a impressora nas estações (windows), vá em:
Iniciar > Configurações > Impressoras e aparelhos de fax
Clique em Adicionar uma impressora;
Clique em Avança na primeira tela
Na segunda tela selecione a opção: Uma impressora em rede um conectada em outro computador, e clique em avançar;
Na quarta tela selecione a opção: Conectar-se a uma impressora na Internet ou em uma rede doméstica ou no escritório, e no campo desta opção coloque o seguinte endereço, http://IP_DO_SERVIDOR_DE_IMPRESSAO/printers/NOME_DA_IMPRESSORA , e clique em avançar;
Na próxima tela configure o driver da impressora e conclua  a instalação.

Pronto agora o seu servidor já podera ser utilizado para impressões, mas ainda falta a parte de compartilhamento do scanner.

Para a proxíma fase vamos utilizar os seguintes sistemas:

# sane
# xsane

Para intalar o SANE utilize o seguinte comando:
# apt-get install sane

Para intalar o XSANE utilize o seguinte comando:
# apt-get install xsane

Ainda não acabou, temos que comfigurar o serviço de sane (saned) para que esse fique trabalhando, ou seja, escutando a porta 6566/tcp. Então vamos lá:

Verifique a configuração da porta 6656/tcp do serviço SANE no arquivo /etc/services :

# cat etc/services | grep sane

sane-port       6566/tcp   sane saned     # SANE Control

Agora confira o  arquivo /etc/inetd.d/sane-port (serviço inetd) existe, caso não exista crie o arquivo como seguinte comando:

# touch /etc/inetd.d/sane-port

Edite o arquivo e insira o seguinte conteúdo:

service sane-port
{
socket_type = stream
port        = 6566
wait        = no
user        = root
group       = root
server      = /usr/sbin/saned
disable     = no
}

Esse arquivo serve para escutar a porta do serviço sane e iniciar o binário saned ao receber uma solicitação via rede, então verifique se está tudo OK, com o seguinte comando:

# cat /etc/inetd.d/sane-port

Um arquivo muito importante é o “/etc/sane.d/saned.conf” cujo conteúdo contém as máquinas autorizadas a usar o scanner via rede.
Edite o arquivo /etc/sane.d/saned.conf e coloque a suas configurações, no nosso exemplo, autorizamos qualquer máquina da rede interna 192.168.0.0/24 e o próprio servidor 127.0.0.0/8.
Decomente a seguite linha:
# scan-client.somedomain.firm

E no final do arquivo adicione os IPs autorizados
192.168.0.0/24
127.0.0.0/8

Agora estamos quase terminando, UFA!!!!

Edite o arquivo /etc/inetd.conf e acrescente:

sane stream tcp nowait root /usr/sbin/tcpd /usr/sbin/saned

E reinicie o serviço do inet:

service inet stop

service inet start

*OBS: Para que o serviço inet seja sempre iniciado no boot devemos executar o seguinte comando:
# chkconfig inet on

Por último, teste o scanner no modo console com o comando scanimage como no exemplo abaixo.

$ scanimage -d NOME_DO_SCANNER –format tiff > image.tif

Pronto para o servidor acabou!  \o/

Agora nas estações windows basta instalar o programa de captura de imagem, então lá vai:
– instale o programa SaneTwain, um aplicativo responsável pela comunicação com o Sane via TCP/IP . Ou seja cria uma camada de abstração para a API Twain do Windows. Antes de iniciarmos os testes, o programa pode ser adquirido nos links abaixo:

http://sanetwain.ozuzo.net/sanetwain127.zip
http://sanetwain.ozuzo.net/sanetwain128rc3.zip
http://sanetwain.ozuzo.net/setup127.exe

Agora basta fazer as configurações no programa SaneTwain, para começar abra o programa e clique no icone de configurações e no campo do IP coloque o IP do servidor Linux que você configurou, na porta deixe o numero 6566 e no usuário coloque root.

Pronto agora basta clicar em preview, para visualizar o item scanneado.

Então pessoal espero que esse artigo ajudo aos leitores que precisem.

Abraço a todos e até a próxima.

Fontes:
http://www.vivaolinux.com.br/artigo/SANE-Compartilhe-seu-scanner-na-rede?pagina=1
http://augustocampos.net/revista-do-linux/034/tutorial_sane.html
http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Instalando-impressoras-HP?pagina=3
http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Instalando-impressoras-HP
http://www.forumdebian.com.br/forum/viewtopic.php?f=4&t=3856

Criando um servidor de impressão em LINUX

Criando um servidor de impressão para residências e pequenas empresas com Linux

Autor: Antonio Carlos Vasques da Silva <>
Data: 02/12/2005

O por quê deste trabalho

Inicialmente usei um pequeno celeron 466 como servidor de conexão a internet, arquivos e de impressão baseado em Windows Millenium.

Este SO consumia-me muito tempo com manutenção, fazendo com que eu perdesse muito mais tempo no servidor do que meu próprio PC 🙁

E já tendo experiência com Linux em desktop, resolvi então adotá-lo para as mesmas tarefas já realizadas em plataforma proprietária, vendo se a configuração da impressora seria tão fácil como no Windows.

Equipamento

Usei o seguinte computador:

  • celeron 466MHz
  • 188Mb RAM a 66MHz
  • uma clássica unidade de cd-r
  • outra de cdr-w
  • vídeo onboard

E como impressora, a canon i250:

A distribuição Linux

Para facilitar meu trabalho, mantive a mesma distribuição do desktop, o Mandriva 2005 LE, pois ele tem uma característica muito útil: você pode instalar programas de qualquer interface gráfica com somente as dependências necessárias, evitando uma grande quantidade de programas sem uso no HD.

Minha experiência com um servidor em modo gráfico não foi das melhores, pois – mesmo usando o iceWM – as ferramentas de configuração do Mandriva são muito pesadas e nem sempre a configuração planejada pelos desenvolvedores atenderá as suas necessidades. Além do mais, com os tutoriais do VOL, consegui respostas para todos os obstáculos que poderiam dificultar o trabalho em modo texto.

Fiz uma instalação espartana, com aproximadamente uns 350MB sem o X11 e depois mais uns 80MB para todos os programas extras. Assim, um HD de 500MB atenderá seus anseios sem maiores delongas.

Para edição de texto usei o nano, prático e muito mais intuitivo que o vi (perdoem-me os puristas, mas simplicidade é fundamental).

Para a configuração da impressora, instalei o lynx. Um browser bem completo para modo texto e que atendeu plenamente minhas necessidades…
Então, não terá dificuldade em usá-los para realizar os mesmos passos que fiz aqui. ;-))

Não instale o servidor gráfico porque ele não terá utilidade e consumirá recursos de processamento da máquina necessários para outras funções. Assim, seu PC velho terá mais “fôlego” para a jornada diária!

CUPS & cia…

Para fazer meu servidor de impressão, instalei os seguintes pacotes:

  • nano
  • lynx
  • cups (*)
  • cups-common
  • ghostscripts
  • ghostscripts-fonts
  • os drivers da impressora (ou cups-drivers caso a aquela seja suportada nativamente)

Sendo que este processo variará de distro para distro, principalmente no quesito dependências.

A instalação dos pacotes obedecerá ao padrão da sua distro. No Mandriva, “urpmi nome_do_pacote”; no Red Hat, “rpm -ivh”, etc.

(*) tem distribuições que não dividem o CUPS em partes como a minha; assim, ao instalá-lo, falo-á por completo, podendo necessitar de mais espaço em disco.

Configurando o CUPS em modo texto

Esta parte visa apenas dar-lhe uma orientação básica para facilitar sua vida e para que não tenha de perder tempo. Afinal, se você tem uma pequena empresa, tempo é dinheiro… ;-))

Você pode configurar o CUPS de duas maneiras: diretamente no servidor ou remotamente via SSH, por exemplo. Este foi o método adotado.

Bem, vamos lá:

1) no servidor, adquira status de root e chame o lynx no endereço/porta do CUPS:

# lynx http://localhost:631

2) aparecerá a seguinte imagem:
3) navegue com as setas direcionais até “Manage printers”, tecle enter e espere o pedido da senha do root (outra autenticação mesmo que já esteja como root):
4) entre com o nome da impressora (importantíssimo para determinar o nome a ser reconhecido pelos clientes), sua localização e descrição; clique em “continue”:
5) na próxima janela, em “device”, tecle “enter” para escolher a porta onde a impressora estiver instalada (veja aqui que o CUPS já detectou qual é a minha na porta onde foi conectada no PC…):
6) na janela seguinte, escolha a marca da impressora:
7) a seguir, escolha o driver da impressora:
8) completado o passo anterior, a janela seguinte mostra que a impressora foi devidamente instalada:
9) o dizer “Printer State: idle, accepting jobs” mostra que a impressora está pronta para receber trabalhos:
Seguindo estes passos, você pode instalar quantas impressoras quiser e escolher uma padrão teclando “enter” na opção “Set As Default”.
Configurando os clientes

>>>adicionar foto PC14.jpg<<<

Nos PCs com Linux, o servidor CUPS terá de ser instalado também, inclusive com os drivers da impressora. Feito isso, após a configuração da mesma no servidor, basta apenas reiniciar o primeiro nos clientes:

# service cups restart
ou
# /etc/rc.d/init.d/cups restart

A detecção é automática, sem precisar de compartilhá-la via samba. Veja a imagem abaixo de meu PC-cliente:

Não é preciso nenhuma configuração extra.

Para os clientes Windows, você terá de seguir a rotina para cada versão, sendo que o endereço é \nome_do_servidor ome_da_impressora. os drivers para estas plataformas fazem-se necessários.

O que o usuário não pode esquecer é que somente o root no servidor tem poderes para modificar qualquer parâmetro da impressora. A permissão que o usuário tem em seus arquivos não se aplica ao servidor.

Isto é uma garantia a mais de que não ocorrerá nenhuma “mexida não autorizada” nas configurações do CUPS/impressora.

Conclusão

O CUPS está rodando perfeitamente no servidor e este é administrado remotamente por SSH.

A utilização de um computador defasado – muito comum em residências e escritórios/pequenas empresas – pode significar uma redução significativa de recursos compartilhando uma impressora sem recorrer-se a cópias não autorizadas de softwares proprietários.

O servidor pode ser continuamente atualizado – na parte de software – por uma versão mais nova da distro usada como servidor, o que não é verdade para o Windows em suas versões mais novas.

Este trabalho visou apenas dar um suporte ao usuário que deseje ter um compartilhamento de recursos sem gastos com software.

O resultado final é plenamente positivo, com a qualidade dos trabalhos nada deixando a desejar para a instalação no Windows.


Fonte:

http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Criando-um-servidor-de-impressao-para-residencias-e-pequenas-empresas-com-Linux