Arquivo da tag: Linux

Instalando o scanner e a impressora epson L355 no linux

 

Instalando a Impressora Epson L355

 Esta dica não é novidade, pois tem outros tutoriais na rede. Mas vou explicar como configurar a epson L355 no Ubuntu 14.04 e derivadas, de forma a evitar os problemas que encontrei.
Não testei no Debian e nas distros baseadas em pacotes *.rpm, e isso ficará sob sua responsabilidade.
Em primeiro lugar, não utilize o system-config-printer-gnome ou outro utilitário de configuração de impressoras. O processo de instalação do driver não conclui e seu Ubuntu congela. Utilize o seu browser preferido.

Acrescente o endereço abaixo no arquivo /etc/apt/sources.list:

 
# L355 epson driver
# sudo apt-key adv –keyserver keyserver.ubuntu.com –recv-keys 8AA65D56
deb http://download.ebz.epson.net/dsc/op/stable/debian/ lsb3.2 main
Faça no terminal, na ordem:
$ sudo apt-get update
$ sudo apt-key adv –keyserver keyserver.ubuntu.com –recv-keys 8AA65D56
$ sudo apt-get update
$ sudo apt-get install epson-inkjet-printer-201207w

Conecte a impressora na porta USB e na tomada. Abra seu browser preferido e digite localhost:631:

Esta é a página inicial do servidor cups:
Clique em Adding printers and classes -> Add Printer e escolha a epson L355:
Digite login e senha, a localização da impressora e selecione o driver:

 

 

Clique em Set default options -> Manage printers e veja se a epson aparece como “idle”, indicando que ela está pronta para imprimir:

 

 

Para imprimir uma página de teste, clique na impressora -> Maintenance -> Print test page.
A dica para instalar o scanner da epson L355 você encontra aqui.

 

Instalando o Scanner

 O procedimento é muito fácil: basta visitar a página do driver para linux aqui ou aqui, concordar com a licença e baixar os pacotes para sua arquitetura (32 ou 64 bits):
iscan_2.29.3-1~usb0.1.ltdl7_i386.deb
iscan_2.29.3-1~usb0.1.ltdl7_amd64.deb
iscan-data_1.29.0-2_all.deb
Sendo que o pacote “iscan-data” serve para as duas e, por isso, baixe-o também. Como dependência, instale o pacote xsltproc dos repositórios.
Agora faça, na ordem, no terminal:
 
$ sudo apt-get install xsltproc
$ sudo dpkg -i iscan*deb
No mesmo terminal, chame o programeto do scanner:
 
$ iscan
Se tiver outro utilitário de escaneamento, como o simple-scan, também serve:

Neste link você aprende como usá-lo via rede.

 

Todos os créditos desse post vão para o site “Turbine seu linux!”

Fontes: http://dicas-de-linux.blogspot.com.br
http://dicas-de-linux.blogspot.com.br/2014/05/instalando-epson-l355-no-ubuntu-1404-e.html
http://dicas-de-linux.blogspot.com.br/2014/07/instalando-o-scanner-da-impressora.html

 

Como personalizar o Grub facilmente

Tópico retirado do site: http://blog.desdelinux.net/como-personalizar-grub-facilmente/

Cómo personalizar Grub fácilmente

Grub Customizer es una práctica herramienta que te permite personalizar todos los aspectos del grub. Si quieres tener un PC completamente personalizado, desde Usemos Linux te enseñamos a usar esta simple pero potente herramienta para personalizar el arranque de tu equipo.

Instalación

Ubuntu

Si tu distribución es Ubuntu podrás instalarlo a través de su repositorio escribiendo estos 3 comandos en la consola:

sudo add-apt-repository ppa:danielrichter2007/grub-customizer
sudo apt-get update
sudo apt-get install grub-customizer

 

Se quiserem saber mais coisas visitem  o site.

 

Abraço a Todos!

 

Criando um Pendrive bootavel com Ubuntu no Mac OS X

 Publicado em:

 por: Maicon Gabriel Schmitz

 

De posse da imagem ISO e de um Pendrive, basta seguir alguns poucos passos no terminal do Mac, para executar esta simples tarefa, seja para criar um Pendrive bootavel com Ubuntu, outra Distribuição Linux ou até mesmo outro OS qualquer.

 

Primeiramente, conecte o Pendrive ao Mac

Acesse o aplicativo Terminal.app, pelo Spotlight (⌘ + Tecla Espaço) ou diretamente através do diretório /Applications/Utilities/

Execute o comando “diskutil list“, para obter uma lista de discos disponíveis:

$diskutil list

O retorno do diskutil list, poderá ser semelhante à isto:

 

/dev/disk0
   #:                       TYPE NAME                    SIZE       IDENTIFIER
   0:      GUID_partition_scheme                        *320.1 GB   disk0
   1:                        EFI                         209.7 MB   disk0s1
   2:                  Apple_HFS Macintosh HD            319.2 GB   disk0s2
   3:                 Apple_Boot Recovery HD             650.0 MB   disk0s3
/dev/disk1
   #:                       TYPE NAME                    SIZE       IDENTIFIER
   0:     FDisk_partition_scheme                        *4.0 GB     disk1
   1:                 DOS_FAT_32 SCHMITZ                 4.0 GB     disk1s1

 

Identifique o disco relativo ao Pendrive, neste caso, é o /dev/disk1

Desmonte o disco, com o comando “diskutil unmountDisk

$diskutil unmountDisk /dev/disk1

Note, que “/dev/disk1″ neste caso é o Pendrive/Disco anteriormente identificado através do comando diskutil list.

Uma vez que o disco esteja desmontado, você poderá acessa-lo e altera-lo à baixo nível.

Localize a imagem ISO que deseja gravar no Pendrive ou copie-a para um local de fácil “acesso”.

Para efetuar a cópia, iremos utilizar o utilitário dd, o qual já se encontra disponível no Mac OS X.

Para saber mais sobre o dd, basta consultar o Manual, digitando “man dd” no Terminal.

A sintaxe básica do dd é:

dd if=origem of=destino

Partindo para a cópia…

Substitua origem e destino, pelo arquivo ISO e pelo disco de destino respectivamente, logo teremos algo semelhante à:

dd if=ubuntu-13.04-server-amd64.iso of=/dev/rdisk1 bs=128m

Note que, para acelerar o processo de cópia, complementamos o comando, definindo parâmetro block size (bs) como 128m e alteramos o disco de destino incluindo um “r” antes de “disk1“.

bs indica que os blocos de leitura e escrita devem possuir o mesmo tamanho, enquanto que o “r” define que o disco deve ser acessado no modo raw.

Quando o processo de cópia for concluído, você receberá uma mensagem informando o tempo decorrido e a quantidade de bytes transferidos.

Tudo pronto, agora basta desconectar o Pendrive e utiliza-lo.

 

 

 

 

 

Fonte: http://www.maiconschmitz.com.br/criando-pendrive-bootavel-com-ubuntu-no-mac-os-x/

GIMP 2.8 em janela única

Olá a Todos,

Uma coisa que me incomodava muito no gimp era as janelas flutuantes da interface do gimp que ficavam sobre os outras aplicativos que eu utilizava.

Mas agora as coisas melhoraram, acompanhem uma dica do clube do hardware.

 

Modo Janela Única “Single-Window Mode”

Para quem choramingava há anos por paineis acoplados em uma única janela o GIMP 2,8 vai atender as suas preces, nessa versão de testes 2.7.3 ja temos incluido um Modo Janela Única “Single-Window Mode” opcional, ele esta ainda em faze de testes e não está totalmente funcional como deveria, mais já nos brindou nessa nossa análise com uma grata surpresa, pois para quem está acostumado com paineis acoplados, vai ficar mais fácil se organizar. Agora você poderá alternar entre o padrão modo multi janela e o modo de janela única através da novo checkbox Modo Janela Única no menu “Janelas” do Gimp 2.8.

Gimp no modo multi-janelas

No modo janela única o GIMP vai fixar os diálogos acopláveis e imagens encaixados em uma única janela. A definição do modo janela única naturalmente será preservada quando você finalizar e reiniciar o Gimp novamente, mas voltamos a lembrar que isso só na versão 2.8 mesmo, por hora as coisas estão meio que quadradas nessa versão de testes, mais pelomenos já temos um gostinho desse recurso na nossa análise.

Agora no modo janela-única “Single-Window Mode”

Esse modo visa atender a vontade de grande parte dos usuários oriundos do Photoshop e livra eles de terem que se habituar ao sistema de painéis flutuantes, é lógico que para usuários Mac esse recurso nem “fede nem cheira” já que mesmo o Photoshop no Mac conta com painéis flutuantes.

Mas para usuários fãs de painéis flutuantes o modo de Multiplas Janelas ainda continuará lá, basta apenas você ir no menu “Janelas” do Gimp e desmarcar o checkbox Modo Janela Única

Outra coisa muito legal que eles bolaram para o modo de Janela-Única é que nesse modo todos os trabalhos abertos no Gimp, passam a ser organizado em abas localizadas a baixo do menu principal, esse que também foi polido pois agora agrega todas as opções diferente da versão 2.6 que ainda contava com um menuzinho chato na barra de ferramentas, essas abas são organizadas uma ao lado da outra e o mais interessante é que elas mostram um uma miniatura das imagens abertas:

 

Ficou muito bom.

 

Fonte: http://www.hardware.com.br/analises/gimp2-praparando-terreno-versao-1/single-window-mode.html

 

iTALC – Ensino Inteligente e Aprendizagem com Computadores

O que é iTALC?

iTALC é uma ferramenta poderosa e de uso didático para os professores. Ele permite visualizar e controlar outros computadores em sua rede de várias maneiras. Ele suporta Linux e Windows XP, Vista e 7 e ainda pode ser usado de forma transparente em ambientes mistos! Em contraste com o amplamente utilizado software comercial equivalente, iTALC é grátis! Isto significa que você não tem que pagar por licenças caras ou coisas assim. Além disso, o código-fonte está disponível gratuitamente e você está livre para mudar o software para atender às suas necessidades, desde que você respeite os termos da licença de iTALC (GPL). Liberdade de duas maneiras!

Características:
iTALC foi projetado para uso na escola. Por isso, oferece uma série de possibilidades para os professores, como:
* Ver o que está acontecendo nos computadores do laboratórios usando o modo de visão geral e fazer capturas de tela.
* Ter o controle remoto dos computadores para apoiar e ajudar outras pessoas.
* Mostrar uma demo (ou em tela cheia ou em uma janela) – a tela do professor é mostrado em todos os computadores dos alunos em tempo real.
* Bloqueio os computadores para chamar atenção para professor.
* Enviar mensagens de texto para estudantes
* Ligar / desligar e reiniciar computadores remotamente.
* Logon e logoff remoto e execução de comandos arbitrários / scripts.
* Educação escolar em casa – iTALC é uma tecnologia que não se restringe a uma sub-rede e, portanto, os alunos em casa pode se juntar aulas via conexões VPN apenas com a instalação de cliente iTALC.

Além disso iTALC é otimizado para uso em sistemas multi-core (fazendo uso pesado de threads). Não importa quantos núcleos você tem, iTALC pode fazer uso de todos eles.

 

 

fonte: http://italc.sourceforge.net/home.php